Enciclopédia da Tartária

426

Grande Tartária - (latim Magna, fr Grande Tartarie, inglês Great Tartary, alemão Große , hebraico ַעַןנַעַן, árabe کنعان). Informações sobre o nome oficial não foram preservadas. Transcontinental proto-estado que incorpora toda a Ásia desde o rio Don até o Estreito de Bering de leste a oeste, do Oceano Ártico ao Oceano Índico de norte a sul, e possuía protetorados entre os rios Reno e Oka, na Ásia Menor, Pérsia e Babilônia, e também na África e na América do Norte.

Primeira Capital - a cidade de Tartarus no rio Tartar (agora território da Yakutia, no curso inferior do rio Kolyma). A seguir, em momentos diferentes, a capital da Grande Tartária esteve localizada em Solha (Khanbalik), onde hoje é a aldeia de Arka, no território de Khabarovsk. Depois, em Kara-Kurum, hoje localizada na região de Krasnoyarsk, conhecida como Black Stones. Mais tarde, a capital esteve em Grustin (Tomsk), Tobolsk, Astracã, Moscou e Samarcanda (Fortaleza de Pedra).

O nome do país vem do etnônimo de uma das mais numerosas tribos do passado, as tribos Tartar, que consideravam como fundador da sua clã o Khan chamado Tartar, que era irmão do Khan Mogull, e parente próximo dos príncipes Sloveno, Czech e Lech, da Rus.

Enciclopédia da Tartária kadykchanskiy

Реконструкция территорий, принадлежащих Великой Тартарии
Reconstrução de territórios pertencentes à Grande Tartária
Formação estatalA segunda metade do V - a primeira metade do século IV aC.
Idiomas oficiaisÁrabe, mogul, russo, turco, iugur.
CapitalКаrа-Кuruм
Maiores cidadesArsana, Attil, Vladimir, Herat, Grustina, Cazã, Kambala, Kara-Kurum, Kinsai, Kostroma, Moscou, Novgorod, Perm, Samara, Samarcanda, Samariv, Tártaro, Tver, Tenduk, Horassan, Czarina, Yaroslavl
Forma de governoMisto Monarquista - republicano
Forma administrativa de governoConfederação
Chefe de estadoGrande Khan
Chefe de governoKhans, reis, governantes, príncipes, magistrados
Os governantes mais famososОgus-Khаn, Ivan o Grande (Presbítero João) e seu irmão Ken  (Ung-Garikh-Gorok-Zhor-Hor), Gengis Khan, Маngu-Khan, Smaragd (Ivan o Terrível) 
Religião (não estatal)Nestorianismo, Maometismo, Arianismo (Zoroatrismo)
MoedaHryvnia, rublos, dirhams, reais
Território1º no mundo
AntecessorImpério Roch
Sucessor legalOficialmente - o Império Russo. Em realidade - o Sacro Império Romano
População755 milhões de pessoas, em 1865. - 8 milhões de pessoas
Nomes dos representantes dos povos mais numerososAlanos, Ants (Atlanteans), Bodrichi, Vikings (Varyags), Vênetos, Vyatichi, Drangi, Drevlyanes, Dregovichis, Karliki, Kaisaki, Kalmaki, Karaites, Kirdiz, Kipchaki, Krivichi, Meshcheryaki, Mogul, Ostyaki, Polovtsy, Polianes, Pomeranis, Prussos, Russos, Sármatas, Citas, Eslovenos, Tártaros, Tungus, Turcomanos, Cheremis, Cherkasis, Yugures, Yukagir e outros
Supressão da existênciaCaptura pelas tropas britânicas da fortaleza etíope Magdala em 13 (25) de abril (1868), com o subsequente suicídio do descendente do Presbítero João, o rei da Etiópia Fedor II, e a captura de Samarcanda pelas tropas do Império Russo no ataque de 26 de maio (14), 1868,  sob o comando do General KP. Kaufman

História

Antiguidade e Idade Média

A Grande Tartária, no período pré-histórico, foi o lugar de assentamento dos ancestrais de todos os povos representantes da raça branca - os Arianos, ou Hyperborean. No território da Tartária, no período Neolítico, havia inúmeros ricos monumentos da cultura pré-histórica. A pré-histórica Tartária foi culturalmente ligada à vizinha Índia Superior, e em seu território foi encontrado um grande número de megalitos. Durante o final da Idade do Bronze e início da Idade do Ferro, o território Tártaro era habitado por tribos de Tártaros, Mongóis, Citas, Sármatas, Russos, Eslovenos, Persas e Turcos.

No final do século IV, como resultado da conquista dos exércitos de Alexandre, o Grande, a Tartária perdeu o controle da Anatólia, da Babilônia e da Pérsia.

No final do século XII, um jovem guerreiro da tribo Mongol chamado Tamuzin e a filha de Ivan, o Grande Bort Ku Chen, apaixonaram-se. No entanto, o pai da moça não concordou com o casamento, o que serviu para iniciar a guerra entre Kara-Kurum e as tropas unidas sob o comando de Tamuzin. O exército era formado pelas tribos de Tamuzin Mogul e seus parentes das tribos tártaras. Estes povos viviam no extremo nordeste do país, nas províncias de Mongul, Melar e Tenduk, consideradas as terras ancestrais dos mitológicos Gog e Magog (hoje os territórios de Yakutia, Kolyma e Chukotka).

Nesta guerra, o exército do Prestbítero João foi completamente derrotado, e o próprio Ivan morreu nas mãos de Tamuzin durante a batalha. Assim, um desconhecido soldado sentou-se no trono do Grande Khan e entrou na história sob o nome de Genghis Khan. E Borta Ku Chen foi sua amada esposa e mãe de seus filhos até a sua morte.

Enciclopédia da Tartária kadykchanskiy

Enciclopédia da Tartária kadykchanskiy
Borta Ku-Chen, a esposa favorita de Genghis Khan

Para restaurar a ordem e estabelecer a paz, foi empreendida a campanha russa de Batu-Khan (Khan Batu), que os historiadores chamam de início do "jugo mongol-tártaro". Como resultado da campanha, o poder foi restaurado na Moscou , na Bulgária, na Tavria (Pequena ) e em Kiev. Sua população foi tartarizada, e no século XV falava as línguas árabe e russa, que tornou-se a base das modernas línguas russas, ucranianas e bielorrussas.

Генеалогическое древо Великих Ханов
A árvore genealógica dos Grandes Khans (Nota de tradução)

Além disto, durante o mesmo período, ações foram tomadas para evitar uma repetição do cenário dos eventos de Moscou na Europa Central. Por esta razão, Sheibani-Khan liderou uma campanha contra Borussia (Prússia), que resultou em um deslocamento sem derramamento de sangue da maioria dos príncipes russos que comandavam grandes guarnições na Prússia, Pomerânia e Saxônia. As terras da Borussia foram nomeadas Suábia, a partir do nome de seu novo governante Shaibani. E os Murzas que chegaram com ele estabeleceram as bases para a futura nobreza alemã - os barões.

No início do século XV, o Khan Tamurbek (Tamerlan) recuperou a posse das terras conquistadas por Alexandre, o Grande. Mas, ao mesmo tempo, ele tentou separar-se da Grande Tartaria para estabelecer a sua própria Tartaria independente, com a capital em Samarcanda. Ele parou de pagar impostos, e declarou-se o governante de Turan (neste período,Turan compreendia todas as terras a leste dos Urais até o Estreito de Bering). Ele foi convocado a Kara Kurum para explicar ao Grande Khan, mas decidiu ir à guerra com ele para subjugar a província de Cathay, e toda a Turan. Durante esta campanha, ele morreu.

Nova era

Uma catástrofe em escala global destruiu com água e lama o território a leste dos Montes Urais no século XVI. Smaragd (Ivan, o Terrível) tirou vantagem disto e começou a anexar os territórios deixados sem controle. A aparição de governantes impostores provocou protestos entre os herdeiros de Genghis Khan. A primeira revolta foi em 1670, liderada por Aleksei Georgievich Cherkassky, cujo principal chefe era um general chamado Stepan Razin.

A guerra de Stepan Razin

A genealogia dos príncipes Cherkasskys remontava aos faraós egípcios, portanto o Grande Soberano Aleksei Georgievich considerava-se o único herdeiro legítimo do trono da Grande Tartária. A guerra pelo trono de Moscou foi perdida devido a uma série de razões objetivas e a principal delas é a destruição de uma grande quantidade de recursos materiais e humanos pela catástrofe, quando todo o território de Turan se transforma em um deserto e a Grande Tartária reduz-se à dimensão das terras do Turquestão.

O principal resultado da derrota da Tartária nesta guerra é o surgimento e consolidação de um posto avançado do Sacro Império Romano no mar Báltico, o que permite a Peter I, - aliado ao Eleitor da Saxônia, Augusto II e ao rei da Dinamarca e Noruega, Christian V, -  ir à guerra contra Karl XII, que permanecera fiel à Tartaria.  Assim, o último fragmento da Grande Tartária na Europa - terra dos Godos, dos Vândalos e Murmans, - foi derrotado e, em 1721, tornou-se parte do Sacro Império Romano. A partir deste momento, a Europa sai completamente da esfera de influência da Tartaria, e a fronteira entre Europa e Ásia é transferida do Rio Don para os Urais.

A guerra de Iemelian Izmogullov

A linhagem de Izmogullov é originária de Tamurbek-Khan, ou seja, de Tamerlane. E o descendente deste Iemelian Ivanovich Izmogullov (Izmailov) entrou para a história como “Iemelian Pugachev". Em 1773, ele liderou a segunda guerra de libertação contra os boiardos (membros da aristocracia russa) de Moscou, que ilegalmente haviam usurpado o poder. Como a primeira guerra, esta também foi perdida.

A principal razão para a derrota da Grande Tartária nesta guerra foi a assistência em grande escala da Europa, que atuava a partir da cabeça de ponte criada pelos descendentes do clã de Oldenburg às margens do rio Neva. E esta vitória, embora não salvasse os imperadores de São Petersburgo da dependência formal de Moscou, permitiu a expansão do Sacro Império Romano-Germânico na Ásia e no sul.

A Guerra Patriótica de 1812

Para obter o controle total sobre a Moscou Tartária, outra guerra doméstica (civil) foi lançada em 1812. As forças armadas unidas da Europa sob o comando de M.I. Kutuzov e Napoleão Bonaparte lançaram uma blitzkrieg às margens do Volga. Embora a tarefa não tenha sido cumprida integralmente, a Moscou dos muros de pedra branca, eminentemente muçulmana, deixou de existir. O poder pertencia agora totalmente ao clã de Oldenburg. A última capital da Grande Tartaria é reconstruída no estilo europeu e todas as mesquitas são transformadas em igrejas e catedrais Greco-orientais da Igreja Russa que, a partir de 1943, é chamada de Ortodoxa Russa.

A partir do momento da submissão da Moscou Tartária a São Petersburgo, permaneceram últimos enclaves. Partes da antiga Grande Tartária, no Turquestão e na Etiópia, continuaram a existir. Em 1868, o Turquestão foi finalmente conquistado pelo exército do general KP. Kaufmann e a Etiópia foi tomada pelos britânicos.

Crônica das perdas territoriais da Grande Tartária até o início do século XX

• 1774 - Transferência de Beirute para o Império Otomano e da Malásia para a Holanda e Inglaterra;
• 1783 - Transferência do arquipélago das Cíclades no Mar Egeu para o Império Otomano;
• 1836 - Transferência do Havaí para os Estados Unidos;
• 1841 - Transferência de terras na Califórnia, nos EUA, e no Chile, formalmente para a Espanha, mas de fato para a França, porque a colônia chilena era propriedade dos Bourbon que, naquela época, também governavam a Espanha;
• 1855 - Transferência de quatro ilhas da cordilheira de Kuril e da parte norte de Hokkaido para o Japão;
• 1867 - Transferência do arquipélago das Aleutas e de terras nos estados da Baía de Hudson, Alasca, Washington e Colorado para a jurisdição dos EUA;

"Guerra da Criméia"

Na verdade, esta guerra foi uma continuação da divisão da herança da Grande Tartária entre os descendentes da dinastia Oldenburg Holstein-Gottorp, e de seus parentes mais próximos do ramo britânico, os Saxe-Coburg e Gotha, hoje conhecidos como família Windsor.

Finalmente, após esmagar a Tartária em um esforço conjunto, surgiram contradições internas entre os clãs Holstein-Gottorp e Saxe-Coburg e Gotha, do Sacro Império Romano. O clã britânico reivindicou grandes concessões do clã de São Petersburgo, o que levou à outra guerra interna dentro do Império Romano.

O império russo, sendo o sucessor legal da Grande Tartária, tornou-se objeto de invasão pelo Império Britânico, menos rico, mas dono de maiores ambições. O próprio Império Russo, no papel de Grande Tartária, sofreu o golpe dos anglo-saxões que lideraram a coalizão que lutou contra a Rússia em todas as direções: - no Cáucaso, Criméia, Báltico, Mar Branco, Oceano Pacífico. Mas os anglo-saxões foram derrotados nesta guerra, o que não os impede, até hoje, de se considerarem vencedores.

Relevo

Mais de 70% do território da Tartária era ocupado por planícies e terras baixas. A parte ocidental do país situava-se na planície norte-alemã, caracterizada por alternar planícies, planaltos e colinas (Valdai, Rússia Central, etc). O sistema montanhoso meridionalmente alongado dos Urais dividia a planície do leste europeu das terras baixas siberianas ocidentais. A leste desta divisão encontrava-se o planalto central da Sibéria, com montanhas isoladas, que transformavam-se gradualmente na planície da Yakutia Central.

Durante a antiguidade, os atuais morros Urais nórdicos eram altas montanhas, chamadas Riphean. A cordilheira que se estendia desde o Mar Branco até o Delta do Danúbio não existe mais. Os Montes Urais eram muito mais baixos. Altai e Sayans foram chamadas de Cáucaso. E a península de Kamchatka não existia até o século XVI.

Águas internas

Mais de 20% do território de Tartaria era ocupado por reservatórios de água. Os maiores eram Negro (russo), Azov, Khvalyn (na atual Polesia), Mazanderund (atual Cáspio e Aral), Beloye (Bashkiria), Kataisk (no centro da Sibéria) e Lenskoye (no território de Khabarovsk). O lago Baikal não existia.

Clima

O clima da Tartária ao norte do paralelo 50 era estável, moderadamente continental. Não existia camada de permafrost, e os invernos do norte tinham neve, mas nunca havia frio severo e por isto as águas do Oceano Ártico permaneciam navegáveis durante a maior parte do ano.

Flora e fauna

Florestas de folhas largas e estepes florestais prevaleceram no cinturão ártico e subártico. Ao sul de Ladoga e Dvina (Daugava), estepes e semi-desertos prevaleciam. A oeste da Valdai superior, as florestas eram coníferas e mistas. No território do Turquestão, florestas de folhas largas intercaladas com estepes florestais e zonas de estepe.

Muitas espécies de pássaros, peixes, animais e répteis sobreviveram até hoje. Enquanto algumas conseguiram se recuperar, como auroques (bovino selvagem), tigres e leopardos da neve, muitas espécies desapareceram irremediavelmente. Algumas nem sequer tinham os seus próprios nomes, porque todos os répteis eram chamados simplesmente de cobras. Crocodilos e cobras eram chamadas de serpentes. Sabe-se que os mamutes na Tartária eram chamados de elefantes e que existiam em grande quantidade até a segunda metade do século XVI. Juntamente com os elefantes, também desapareceram os “methagallinarii ”, que a ciência oficial considera os míticos unicórnios.

Antes disto foram extintos os pterossauros, uma das espécies que estavam representadas na bandeira da Grande Tartária, e a imagem esculpida de um deles era o ornamento do trono dos grandes Khans.

Трон Великих Ханов в Кара-Куруме. Фрагмент средневековой гравюры
O trono dos Grandes Khans em Kara-Kurum. Fragmento de gravura medieval

Literatura

• Abulgazi Bayadur Khan. História genealógica dos Tártaros. 1663.
• Alexander von Humboldt. Ásia Central. 1843.
• G.I. Spassky. As mais recentes viagens na Sibéria e países vizinhos. 1825.
• Guillaume de Rubruk. Viagem para o Leste. 1255.
• Daniel Defoe. As aventuras de Robinson Crusoe. 1719.
• Marco Polo Um livro sobre a diversidade do mundo. 1291.
• Nicolaas Witsen. Tartária do Norte e do Leste. 1692.
• Rui Gonzalez de Clavijo. Diário de uma viagem à corte de Tamerlane em  Samarcanda. 1406.
• S.U. Remezov. Livro de desenho corográfico da Sibéria. 1701.
• William Guthrie. Moderna geografia global. 1809.
• Philip Heinrich Dilthey. Primeiros fundamentos da história universal com uma cronologia mais curta para a nobreza russa instruída.

Ao utilizar qualquer material dos artigos, é obrigatório fornecer a indicação do autor juntamente com o link para ©kadykchanskiy tart-aria.info

Эта статья также доступна на следующих языках:


kadykchanskiy
Голубев Андрей Викторович (kadykchanskiy, кадыкчанский, записки колымчанина). Родился 29 июля 1969г. в п. Кадыкчан, Сусуманского района, Магаданской области. Закончил Выборгское авиационно-техническое училище и Российскую таможенную академию. Работал во 2-м Куйбышевском объединённом авиаотряде. Служил в Псковской таможне. Юрист, писатель, историк.